segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Parashá Toledot [Gênesis 25:19-28:9] - Baseada nos Ensinos De Rabeinu Nachman!!!



Parashá Toledot [Gênesis 25:19-28:9]

Pesquisa, tradução e adaptação: 
Yashar David  e Shlomo ben Avraham

RESUMO

A parashá desta semana tem início com a recordação de que nos primeiros vinte anos de casados, Itzchak e Rivká não tiveram filhos.  Depois de terem rezado ao Todopoderoso, Ele abençoou-os e posteriormente tiveram gémeos; Yaacov e Esav.  Esav era o mais velho e mais forte e dedicou-se às tarefas do campo, tendo sido caçador, enquanto que Yaacov foi um grande estudioso da Torá. Esav foi o filho preferido de Itzchak, enquanto Yaacov foi preferido de sua mãe.

Numa certa ocasião, Esav voltou muito cansado dos seus trabalhos no campo e viu que Yaacov estava a cozinhar lentilhas vermelhas, foi então que Esav pediu ao seu irmão que lhe desse rapidamente do seu guisado.  Yaaccov disse-lhe que em troca da comida lhe vendesse a sua primogenitura, já que Esav não demonstrava qualquer interesse nela e assim, ao comer e beber desprezou os seus direitos de primeiro filho.

Tinha começado uma época de fome que obrigou Itzchak a mudar-se para Guerar, para as terras do Rei Avimelech.  Aí lhe apareceu o Eterno para lhe confirmar a promessa que já tinha feito a seu pai, que a sua descendência seria tão numerosa como as estrelas do céu e que receberiam a terra de Canaã como herança.

Tal como seu pai fez, Itzchak disse aos habitantes de Guerar que Rivká era a sua irmã, até que o próprio Avimelech descobriu que não era e ordenou que ninguém causasse dano algum a Itzchak ou à sua esposa.  Itzchak prosperou e foi invejado pela gente de Guerar, pelo que Avimelech lhe pediu que abandonasse a região.

Itzchak apressou-se para ir para Beer Sheva onde foi visitado por Avimelech e este ao ver que Itzchak era uma pessoa agraciada pelo Eterno, concordou assinar com ele um tratado de paz.  Entretanto Esav casou-se com duas mulheres hititas.

Itzchak era já ancião, tinha perdido a vista e sentia que devia bendizer o seu filho mais velho.  Por isso pediu a Esav que fosse ao campo a caçar e que depois cozinhasse uma comida saborosa que depois o bendiria.  Rivka ouviu a conversa e decidiu que Yaacov vestisse as roupas de Esav, cobrindo as suas mãos e o seu pescoço com pele de cabra para que aparentasse o seu irmão mais velho. Preparou uma comida e enviou Itzchak para seu pai Yaacov.  A princípio, Yaacov duvidou de quem se apresentava, se era o seu filho Esav ou não mas após sentir as suas mãos aveludadas, tranquilizou-se.  Depois Itzchak pediu a seu filho que se aproximasse, beijou-o e abençoou-o.

Esav chegou da sua caça e preparou comida para seu pai e aproximou-se dele para receber a benção que lhe correspondia.  Mas logo Itzchak descobriu que fora Yaacov quem tinha recebido a sua bênção primeiro.  Bendisse-o predizendo que os seus descendentes viveriam pela espada e serviriam os descendentes de Yaacov.  A partir deste momento e devido também a este acontecimento, Esav passou a odiar Yaacov e planeou matá-lo quando seu pai morresse.  Rivká conhecedora  de toda situação, enviou Yaacov para Charan, para a casa de seu irmão Labão até que a ira de Esav passasse.  Itzchak bendisse novamente Yaacov para que as bençãos de Avraham se cumprissem entre ele e os seus descendentes e viessem assim herdar a terra de Canaã.  Também lhe ordenou que não tomasse para esposa as filhas dos cananitas e que apenas o fizesse de Padan Aram, entres as filhas de Laban.  Esav compreendeu que as filhas de Canaã eram más perante os olhos de Itzchac e decidiu tomar outra mulher, Machalat filha de Ismael, filho de Avraham.


COMENTÁRIO BRESLEV DA PARASHAH

"E ele [Isaac] disse: Veio teu irmão [Yaacov]  com sutileza, e tirou a tua [“de” Esaú] bênção. 
                                                                                                                                                             (Gênesis 27:35)

D'us é a verdade. Como o verso diz: "O Eterno Deus é a verdade." (Jeremias 10:10) Portanto, a fim de  se conectar a D'us, o Sagrado Abençoado Seja,  é preciso ser um buscador da verdade. 


Considerando que a verdade é um ingrediente essencial na descoberta de D’us, o Sagrado Abençoado Seja,  Ele, projetou a criação de modo que ela [a criação]  não pode funcionar sem um certo grau de verdade, como é ensinado no Talmud, "Raban Shimon ben Gamliel diz; O mundo perdura em virtude de três coisas – justiça, verdade e paz...  (Pirkê Avot 1:18)


Ao dar ao homem a opção de escolher entre o bem e o mal, D’us, o Sagrado Abençoado Seja,   deu-lhe a oportunidade de receber  a sua recompensa. Na verdade a recompensa é o único objetivo da vida neste mundo, porém não como um fim, mas como um meio de atingirmos objetivos maiores que realizações matérias. Em outra oportunidade falaremos mais sobre isto. O contexto aqui abordado objetiva mostrar que as vezes, a escolha entre o bem e o mal não é clara e a única maneira de alcançar clareza em nossas decisões  é obter uma visão  VERDADEIRA sobre os todos os aspectos da vida.


Devido à grande dificuldade em encontrar a verdade neste mundo, D'us, o Sagrado Abençoado Seja, enviou os Tzadikim (santos), em cada geração para nos ajudar a descobrir a verdade.  Pois cada geração tem sua própria característica de falsidade [mentira], associada ao tempo e a geografia do lugar.


O Tzadikim de cada geração são especialistas em ver através da ilusão, e por fim, descobrir a verdade.


Os judeus que com humildade se expõe a luz, ao calor que emana dos  Tzadikim e por fim são influenciados por eles, se tornam os agentes da transformação, pois são estes os portadores da VERDADE no mundo.


Sendo assim, o judeu é um investigador e divulgador da verdade revelada pelo Tzadik.


Uma das razões do porque existem relativamente, poucos judeus no mundo - é porque apenas assim seria possível preservar o direito de livre escolha.


Como é sabido, um pouco de luz dissipa uma grande quantidade de trevas, tão logo se existisse um grande número de judeus no mundo, a verdade evidente e seria impossível acreditar na mentira.


Obs: [Este conceito refuta as afirmações feitas por escarnecedores, que falam que se os judeus fossem de fato o povo eleito, D’us, o Sagrado Abençoado Seja,  teria feito deles uma maioria, ou pelo menos uma porcentagem muito mais significativa da população do mundo.]

Assim, os fundadores [patriarcas] do Povo Judeu, tinham que ser pessoas da verdade!

Ninguém era mais adepto da busca e do desejo de descobrir a verdade que Ya'akov (Jacó), como o versículo diz: "Darás [D'us] a verdade a Ya'akov... [D’us, o Sagrado Abençoado Seja,  lida com uma pessoa da mesma forma que a pessoa lida com Ele. Portanto, D'us, o Sagrado Abençoado Seja,  tratou Ya'akov, com a verdade, assim como Ya'akov verdadeiramente agiu com D'us.]” (Miquéias 7:20)

Ya'akov foi especificamente escolhido para ser um dos pilares da fundação do povo judeu, porque ele incutiu em sua descendência, biológica e espiritual, a necessidade de buscar e descobrir a verdade. 

Isto é facilmente ilustrado por um olhar atento a história do povo judeu e ao fato de que nós [os judeus] nunca fomos do tipo que se deixa levar com a maré, como o próprio D'us, o Sagrado Abençoado Seja, disse: "Eu [D'us] tenho visto este povo [os judeus] e eis que é povo de dura cerviz [que não aceitam qualquer coisa,  até mesmo em face das ações aos milagres e prodígios operados por D’us, sem antes analisar e comprovar se aquilo é verdade]. "(Êxodo 32:9)

Esta atitude sempre foi uma ameaça para os ditadores e para as outras religiões, que prosperam intimidando as pessoas, não permitindo questionamentos e subjugando as massas que se conformam com qualquer mentira.

Esta é a razão  do porque os judeus foram odiados, perseguidos e quase aniquilado em muitas ocasiões. 

Mesmo distante, o judeu, que recebeu pouca ou nenhuma educação formal judaica, não é capaz de se sentir totalmente confortável em conformidade com a norma social, ele sempre vai andar na contra mão do sistema da massa. 

O Talmud nos diz que os judeus que não aderem aos caminhos da Torah procuram a verdade da  sua própria maneira.  E sem a devida orientação da Torá, o judeu distante, vai envolver-se e juntar-se em todos os tipos de movimentos estranhos, e sempre ficará inconformada sem nunca encontra.

Sem a influência moderadora da Torá, o judeu distante, vai andar por caminhos destrutivos embora, esteja sempre bem intencionado. Por fim ele ficará cansado e decepcionado  pois passou a vinda inteira lutando por reforma em busca da verdade. 
Judeus afastados podem ser encontrados em muitos lugares sobre tudo naqueles movimentos que professam procurar a verdade, em cumprimento do verso, "Eu [o judeu afastado] busquei aquele a quem ama a minha alma [o D’us da verdade], eu O procurei [em todos os movimento e filosofias], mas não o achei.” (Cântico dos Cânticos 3:1)

Obs: [Os movimentos sem-Torá, embora contenha alguma verdade, derivados das faíscas santas que estão caídas, não possuem a verdade absoluta]

uma verdade baseada em mentira?

Mas surge uma aparente contradição, se Ya'akov foi o epítome do homem da verdade, porque ele enganou seu pai, Yitzchak (Isaac), permitindo que este, lhe desse as bênçãos que se destinava a seu irmão mais velho, Esav (Esaú)? 

É este o comportamento de um "homem da verdade", aproveitar e enganar seu pai cego, para adquirir um ganho injusto!? Tal atitude não é infame e corrupção da mais alta magnitude? Como  Ya'akov poderia ser considerado o epítome da verdade, depois de tal comportamento tão reprovável?

 Em primeiro lugar, Ya'akov foi perdoada por D’us, o Sagrado Abençoado Seja, mesmo antes de praticar o que nos parece uma fraude.

 O fato de D'us, o Sagrado Abençoado Seja, ter tido sempre a intenção de dar a bênção a Ya'akov é porque ele era justo.  Porém Ya'akov, foi forçado a obter o que era legitimamente seu através de uma ação que objetiva simplesmente estabelecer a verdade -  como assim? Bem, é justamente aqui que começaremos a descobrir lições profundas sobre o que é verdade e como obtê-la.  Tudo isto baseado nos ensinamentos de Rabi Nachman e seu discípulo Rav Nantan. 


TODOs NO MUNDO afirmam TEr sua própria verdade.   

Rav Natan diz que para descobrir se uma idéia ou a filosofia é verdadeira, é preciso ver se esta idéia pode resistir ao teste do tempo. Entenda, não apenas no sentido cronológico e sim, morfológico da idéia de tempo e espaço.


 Rav Natan introduz o conceito de examinar o rosh (o início), toch (meio) e sof (final) de uma idéia, explicando que em muitos casos, a verdade de uma idéia, no início, é mais oculta e necessita de mais envolvimento, refinamento e análise para descobri-la plenamente. Em suma o rosh é a hipótese vaga. 


O toch é a análise e desenvolvimento do conceito que revela todas as suas implicações e manifestações. Quando a hipótese se revela plenamente em todos os seus aspectos, passa o teste do tempo, que atingi o sof . 


O que é verdadeiro tem que passar por este processo completo.  Caso contrário, é apenas uma verdade parcial ou uma completa mentira. 

A Verdade é descoberta lentamente, passo a passo. Um exemplo é o processo que o Talmud usa para entender a real intenção da Torá, a fim de determinar a aplicação prática da lei.


O Talmud discute uma lei dada, derrubando várias, opiniões conflitantes, já que todos têm pontos de vista válidos - o rosh . 


Na fase intermediária, aquela  que descobrimos a verdadeira lei, o toch , as várias opiniões são discutidas, pequenas falhas são descobertas, sanadas e a verdade defendida. 


Este dar e receber continua até a fase final, o sof, que  é alcançado quando a aplicação da lei é descoberta. 


A metodologia de rosh , toch , sof , no contexto do dar e receber do Talmud pode ser aplicado a qualquer situação ou circunstância. O estudo do Talmud, assim, aguça a nossa mente até o ponto onde nós podemos facilmente discernir a verdade. 


No entanto, devido ao desejo de D'us, o Sagrado Abençoado Seja, que o homem mantenha a livre escolha, não importa quando nós aplicamos a verdade, mas se por último o objetivo é alcançar a verdade.


Apenas quando recebermos nossa recompensa, no mundo vindouro é que teremos a visão clara, quanto a isto. Até lá, devemos fazer o nosso melhor, nos esforçar em ver apenas a verdade e usar a nossa fé para superar os conflito que surgem em nossas vidas.


 A fé nos dá acesso a essa parte da verdade que não pode ser revelada neste mundo.

Um exemplo: A Parnassá - [a prosperidade que alcançamos trabalhando] - para ganhar a vida, é um exemplo clássico, de uma verdade parcial, algo que só se esclarece na sua conclusão, no seu sof .

Entenda, o conceito geral de "ganhar a vida" é o rosh . Desenvolver a idéia de como fazer isto, o toch , e implica na consideração que todo ser humano tem de preencher da necessidade do sustento próprio e da sua família.

Inicialmente, esta é uma consideração muito válida. Certamente o homem trabalha para apoiar  e assistir a família, mas alguém que afirma, que não tem tempo para o estudo da Torá e a oração porque tem que sustentar sua família, mostra uma grande falta de fé em D'us, o Sagrado Abençoado Seja. Sua negligência na busca espiritual indica que a pessoa, acredita  que o sustento de sua família depende apenas de seu esforço, e que D'us, o Sagrado Abençoado Seja, não está envolvido em sua vida ou no sustento de tudo. 

A Bíblia nos diz de maneira diferente, "Minha é [toda] a Prata, e meu é [todo] ouro, disse o Senhor dos Exércitos.” [eu sozinho determino a quem dá-lo]  (Ageu 2:8)

Além disso, o Talmud ensina: “Rabi Yonatan disse: Quem cumpre a Torá na pobreza,[vai ser dado a oportunidade de] por fim a cumprirá na riqueza; mas quem se descuida da Torá [por causa de sua perseguição em alcançar] na riqueza, por fim descuidar-se-á dela na pobreza [seja nesta vida ou mesmo em outra encarnação].” (Avoth 4:11)

Assim, vemos que o conceito de parnassá é verdade, até certo ponto, isto porque, quando examinamos o sof descobrimos que o quadro muda.  Vemos que no final, quando uma pessoa morre, ela deixa para trás todos os frutos do seu trabalho físico. O Talmud ensina: “...no momento em que o homem abandona este mundo, não o acompanharão nem a prata nem o ouro, nem as pedras preciosas, nem as pérolas, mas somente [o conhecimento d]a Torá e as boas ações, conforme foi dito: Quando caminhas, [a Torá] te guiará; quando te deitas, te cuidará; e quando despertas, falará por ti. "Quando caminhas te guiará" - neste mundo; "Quando te deitas, te cuidará - na tumba; "E quando despertas, falará por ti" - no Mundo Vindouro. (Pirke Avoth 6:9)


Então, já que não há resultado eterno, no esforço para "ganhar a vida", diríamos que este conceito não é verdadeiro no seu sof .

Pelo fato de ser parcialmente verdadeiro em seu toch , consideramos que foi uma verdade parcial.

Sendo assim o tempo de uma pessoa deve ser gasto, tanto quanto possível, nas coisas que são "verdade absoluta", do inicio ao fim!  Por exemplo, a necessidade de conectar-se a D'us, o Sagrado Abençoado Seja, através do estudo da Torá, da oração e do desempenho de mitsvot e boas ações , como o Talmud diz: Rabi Eliezer ben Yaacov disse: Aquele que cumpre uma única mitsvá adquire para si um defensor, [em seu julgamento final - que é muito rigoroso] e aquele que comete um pecado adquire para si um acusador. [contra ele em seu julgamento final].O arrependimento  [estudo da Torá, a oração] e as boas ações são como um escudo contra a retribuição [castigo].  ( Pirke Avoth 4:13)

Assim, vemos que a busca por espiritualidade, conexão com D'us, o Sagrado Abençoado Seja, mantém-se no sof , e é, portanto,  uma verdade absoluta .  A Parnassá, portanto, deve ser abordada do ponto de vista do seu verdadeiro aspecto - o fato, de que é preciso trabalhar para se sustentar, mas deve-se evitar a parte que não é verdade - à procura de dinheiro pelo dinheiro, tentando ganhar maior do que realmente precisamos para viver e sustentar nossos familiares
.
***

Em relação ao estudo da Torá, o Talmud diz que se uma pessoa, seu filho, e neto são todos estudiosos da Torá, seus descendentes jamais se desviarão deste caminho. Neste caso, a Torá  será uma verdade, no início, meio e na conclusão, verdade absoluta e estabelecida para sempre. 


Portanto, o terceiro patriarca, Ya'akov, afirmou que o que primeiro patriarca, Avraham (Abraão), tinha começado era de fato, o caminho da verdade. 


Avraham  tinha como verdade, a existência e unicidade de D'us, o Sagrado Abençoado Seja e a necessidade de fazer a Sua vontade. Isto foi confirmado por Yitzchak seu filho, e por seu neto Ya'akov, tanto é verdade que esta verdade [a Torá] é praticada por seus descendentes até hoje. 


Todas as antigas culturas como as do antigo Egito, Grécia, Roma etc, não resistiram ao teste do tempo. No auge de seu poder e glória, essas culturas antigas criaram suas próprias verdades, e a impuseram sobre aqueles que estavam sob seu controle, com o único objetivo de, cumprir a agenda, para atender suas próprias necessidades egoístas, e que o tempo tem mostrado ser uma mera ilusão, ainda que travestida de verdade. 


O mesmo pode ser dito sobre todas as religiões criadas pelo homem e movimentos, que dispensam a verdade por causa dos seus desejos e praticas. 


“Se a filosofia inicial de um homem, seu sistema de crenças não é satisfatório, ele facilmente substitui por uma nova, filosofia mais “moderna”, que, por sua vez será relegado para a pilha de lixo filosófico, alguns anos ao longo da estrada da vida.”


A verdade de hoje é a mentira de amanhã!


Apenas os caminhos da Torá não mudam, permanecendo o mesmo  desde  o dia em que foi dado por D'us, o Sagrado Abençoado Seja,  no Monte Sinai, a milhares de anos atrás.


A  validade da Torá é reafirmada por cada geração que passa. Na verdade, em cada geração, novas descobertas foram feitas por estudiosos da Torá, porém, eles não mudaram, nem negaram sequer o mínimo das letras dos livros Sagrados. O que era professada no passado, nossos sábios confirmaram ainda mais fortemente, o já estava lá o tempo todo. Como o versículo diz: “A Torá de D'us é perfeita...” [engloba tudo o que sempre foi, é e será]. "(Salmos 19:8) - (Lekutai Halachoth: Yorah Dayah: filchoth Shevuoth 2:27)


A TORÁ É INFINITAMENTE  MAIS POTENTE, QUE O MAIS AVANÇADO COMPUTADOR DO MUNDO

O computador mais potente do mundo é conhecido como Jaguar. Ele possui uma velocidade de 1,75 petaflops e é usado para pesquisas em astrofísica, ciências climáticas e energia nuclear.


Para você ter uma idéia um petaflop é o equivalente a um quadrilhão de cálculos por segundo. Para efeitos de comparação, um computador normal demoraria 10 horas para fazer o mesmo número de cálculos que o Jaguar faz em um segundo. Ou quatro anos para fazer o que o Jaguar faz em uma hora. Ou seja, é 36 mil vezes mais rápido que um PC normal.


A Torá é como um grande computador, que controla todas as funções do universo. Portanto, o estudo da Torá com motivos puros, para sua própria causa e não por causa de qualquer tipo de ganho físico, ou honra, acessa e ativa a Torá em suas raízes espirituais, corrigindo e aperfeiçoando todas as deficiências do mundo, resultando na bênção, no sustento e etc.


No entanto a maioria dos que estudam a Torá não têm corpos purificados ou estudam com a motivação errada e assim impedem o mundo de alcançar a perfeição plena e a retificação. 


Certamente a pessoa mediana não pode esperar chegar a este alto nível.  Mas então como podemos esperar que o mundo seja perfeito? 


Rav Natan diz, que se aquelas pessoas que são incapazes de estudar a Torá em um nível tão elevado de pureza, se humilhar, submetendo-se a Torá verdadeira, que é  ensinada pelos sábios, os Tzadikim, homens no molde de Moshe (Moisés), e seguir as suas diretivas, estes serão aperfeiçoados e vão retificar o mundo e trazer o Messias. 


Infelizmente, muitas pessoas, devido à sua grande arrogância, recusam-se, humilhar-se frente aos sábios justos, e se opõe ativamente a eles.


Os Tsadikim (santos) recebem  oposição, porque na essência de cada Tzadik, não existe a largura de um fio de cabelo de falsidade.


Uma das responsabilidades do Tzadik é atrair sustento físico do céu para esse mundo. Para fazer isso, eles devem, ainda que levemente, conectar-se ao mundo físico. 


Sendo assim o Tzadik cultiva um leve toque de limitação, esta é a forma do Tzadik ligar-se ao mundo material. 


Aquelas pessoas que se opõem aos Tzadikim, ignoram os 99,9% de bondade e focam apenas no 0,1% de limitação necessária para manter-se neste mundo físico. 


Em essência, este foi o conflito entre o justo  Ya'akov e seu perverso irmão Esav,  e é aqui que explicamos  porque Ya'akov teve que obter sua bênção legítima, através de mentira e enganos.


D’us, o Sagrado Abençoado Seja, que logicamente não se equivocou ao permitir que Yaacov nascesse depois de Esau, já que ele [Yaacov] era o VERDADEIRO primogênito, provocou uma situação em que Ya'akov precisaria ser forçado a ligar-se a 0,1%  de limitação,  para obter as bênçãos de seu pai, para  então assim poder trazer o sustento físico para o mundo. 


Ora Esav sabia que a primogenitura pertencia a Ya'akov, não só porque a primogenitura deveria ficar com a pessoa mais Divina, mas porque ele tinha realmente que vender primogenitura para Ya'akov. 


Esav em sua maldade estava focado apenas no ato de Ya'akov, seu objetivo era fazer com que seu pai amaldiçoasse o irmão, usando como base para sua condenação, aquele 01% de erro, assim invalidando o trabalho da vida inteira de  Ya'akov, que, na verdade, era 100% voltado para praticar a vontade de D’us, o Sagrado Abençoado Seja!


***

UM GRANDE,  ERRO FRUTO DA TENDENCIA A CRER NA PROPRIA VERDADE

Yitzchak cometeu um grande erro ao decidir dar as importantes bênçãos todas sobre o seu mais velho e degenerado filho, Esav. 


Ao destinatário destas bênçãos, era garantido que ele e seus descendentes acabaria por controlar e dominar o mundo, quando o mundo atingir seu estado perfeito, na era do Messias.


Certamente, Yitzchak não poderia ser responsabilizado por esse erro. Esav era um mestre em delitos, como o versículo diz. "E Yitzchak amou Esav [apenas] porque ele era um caçador [qualificado]. [Porém quando Yitzchak descobriu a verdade sobre Esav, seu amor por ele desapareceu]." (Gênesis 25:28)


Rashi nos diz que Esav era um falastrão, ele enganava seu pai com palavras para ganhar o seu afeto, com a intenção de obter as bênçãos do Todo-poderoso. 


Quando Esav  perguntou a seu pai como era dado o  dízimo de  sal e palha, [Estes dízimos não são exigidos pela lei]. Esta pergunta tinha a intenção  de dar a Yitzchak a impressão que ele estava  determinado no cumprimento dos detalhes das leis da Torá. 

Esav estudou a Torah, isso era esperado de todos que cresceram na Sagrada Família [antes da Torah ser formalmente entregue no Monte. Sinai, foi estudada por membros da linhagem de Adão, Seth, Noach, Shem e Ayver. Assim, a Torá era conhecido por Avraham, Yitschac, e Ya'akov e Esav.] No entanto, a intenção de Esav em estudar a Torá foi o seu ganho, egoísta, com o objetivo de enganar seu pai para obter vantagem. Ele estudou a Torah por razões materialistas. Além disso, o Zohar diz que Yitzchak amou Esav, porque eles vieram da mesma raiz espiritual – rigor (Gevurah). Pessoas que vêm de raízes espirituais semelhantes, têm uma afinidade um pelo outro. Por esta razão tendem contemporizar os erros.

Esav era altamente qualificado em enganar, era um falsário [se daria muito bem como político no Brasil]

O versículo diz: "Seu olho (Yitzchak é) era demasiadamente fraco para ver [através de falsa piedade de Esav, bem como a cegueira física]." (Gênesis 27:1)

Yitzchak sabia que Ya'akov era espiritualmente superior a Esav, este fato era óbvio para todos. O versículo descreve Esav como "... um caçador perito, um homem do campo." (Gênesis 25:27) Yitzchak pensava que Esav era um homem que amava a D’us, o Sagrado Abençoado Seja, e embora Esav não fosse tão espiritual quanto seu irmão mais novo Ya'akov, ele ficaria feliz em trabalhar e sustentar seu irmão Ya'akov, permitindo a este dedicar-se integralmente ao estudo da Torá como o verso diz: "Ya'akov era um homem simples, (o que significa que não estão envolvidos em atividades material), habitando em tendas (referindo-se ao estudo da Torá intensiva)." (Gênesis 25:27).

 Assim Yitzchak pensava que era mais importante abençoar Esav, pois este era espiritualmente inferior. Na lógica de pai, isto permitiria  que Ya'akov continua-se com seus estudos, através do apoio monetário de Esav. 

Este pensamento foi posteriormente cumprido por dois filhos de Ya'akov, Zevulun e Issacar. Isto é o que Yitzchak estava se referindo quando ele desejou abençoar  Esav, a fim de abençoá-lo, " E faze-me um guisado saboroso, como eu gosto, e traze-mo, para que eu coma; para que minha alma te abençoe, antes que morra.” (Gênesis 27:4). Os sábios explicam este versículo da seguinte forma, "traze-me comida.. [sustento material, para apoiar os esforços espirituais], que eu amo. Não para que seja apenas para os prazeres, que eu odeio." 

Rivka (Rebeca), esposa santa  de Yitzchak, sabia a verdadeira natureza da Esav, pois ela tinha crescido na casa do ímpio Betuel, seu pai e com o ímpio Laban, seu irmão, e, portanto, poderia facilmente detectar um mentiroso. Ela foi quem aconselhou seu filho justo, Ya'akov, em obter as bênçãos de Yitzchak através de artifícios, com o propósito de revelar a verdadeira natureza do Esav. 

Rivka  vestiu Ya'akov com as roupas caras  de Esav e cobriu seu pescoço e os braços com pêlo de cabra, uma vez que Esav era um homem peludo e Ya'akov tinha uma pele lisa.

Se vestindo e agindo assim Ya'akov  iria parecer com Esav, ou seja, materialista, e, portanto, Yitzchak acharia que era realmente Esav e daria a benção.

 Num nível mais profundo, isso representa, que as pessoas completamente justas como (Ya'akov), devem forçar-se a ser um pouco materialista para poder se conectar com a falsidade deste mundo, a fim de chamar o sustento material, através do poder do "lado esquerdo" da Torá, ou seja,  o estudo para Yitzchak abençoava Esav da seguinte forma: "Com a espada viverás." Através do ganho material, como foi descrito acima.  Assim sendo, se o  justo não se conecta um pouco com a falsidade, eles são incapazes de conectar-se com as energias do materialismo que eles devem atrair para o mundo, para sustentar a existência física. Isto é o que Yitzchak quis dizer quando disse: "A voz é a voz de Ya'akov, mas as mãos são as mãos de Esav." (Gênesis 27:22)

A palavra, voz, é mencionado duas vezes, referindo-se a duas vozes. A primeira "voz" refere-se o estudo da Torá, que é feito por motivos puros. A segundo "voz" refere-se ao estudo da Torá com algum grau de falsidade, a fim de atrair o sustento material para o mundo como descrito acima. Quando as duas vozes de Ya'akov são ativadAs, então nas mãos de Esav pode ser ativado, o que se referem ao sustento material.

Referindo-se a benção de Yitzchak vemos a verdade sobre a maldade de Esav, o versículo diz:  "Então estremeceu Yitzchak de um estremecimento muito grande." (Gênesis 27:33)

Quando Yitzchak teve o pleno conhecimento que tinha dado as bênçãos para Ya'akov ele disse; "Ele [Ya'akov] deve permanecer abençoado." (Gênesis 27:33)

Quando Esav descobriu que tinha perdido as bênçãos, ele gritou e protestou a seu pai, exigindo algum tipo de bênção.

Então Yitzchak disse; “E pela tua espada viverás, e ao teu irmão servirás...”(Gênesis 27:40) Trata-se da espada da oposição, utilizada por todas as pessoas falsas e auto-centrada que se justificam apontando as  pessoas justas, concentrando-se apenas no 01% de limitação do justo, que como já dissemos é necessário para atrair as bênçãos para o mundo material.

Em última instância, isso também tem um resultado benéfico como Rabi Nachman ensina, às vezes a única maneira que um homem justo tem para atingir o auge da espiritualidade e maior conexão com D'us, o Sagrado Abençoado Seja, é encarando o angustiante ataque dos adversários. Assim, D'us, o Sagrado Abençoado Seja, usa os tolos que se opõem aos Tzadikim, como ferramentas para o benefício do mundo.

Devemos entender que a motivação do Tzadik é sempre pura e seu objetivo é preservar a verdade. 

Vemos nesta parashá que, ironicamente, às vezes, a verdade, em seu rosh, parece falsidade. No entanto, quando o processo se desenrola, podemos começar a discernir e vislumbrar a verdade no toch, e  por fim, vemos que no sof, a verdade fica clara, indicando que, aquilo que parecia ser falso no início, só pareceu dessa forma, pois não poderia ser visto em sua profundidade.

Isto é o que tem acontecido durante o curso do exílio da nação judaica, quando a verdade tem sido difícil de perceber.
Os judeus foram rotulados de falsos, mentirosos, cúmplices e pessoas não confiáveis ​​durante séculos, e receberam oposição em todos os níveis. 

Ainda hoje, a situação no Oriente Médio é distorcida e torcida, fazendo os judeus parecem com os "caras maus", mas a verdade absoluta acontecerá no sof, no fim dos dias.  O mundo, então, vai reconhecer a verdade da Torá, enxergar que "D'us é Um" e que o povo eleito é Israel. Amém! 
(Likutei Halachoth: Yorah Dayah: Hilchot Ray'shiss Hagaiz 5:8-9)



“Obra realizada com a permissão de D’us, o Sagrado Abençoado Seja!”
 Direitos reservados A BRESLEV BRASIL
A cópia e uso do conteúdo são permitidos apenas com expressa citação da fonte


Fonte:http://judaismovivo.com.br/

Reações: