quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

História-Mudando as leis da natureza Sobre Rabi Israel Báal Shem Tov


Mudando as leis da natureza
Sobre Rabi Israel Báal Shem Tov

Durante toda a vida, Rabi Israel Báal Shem Tov esforçou-se para chegar à Terra Santa. Ele costumava dizer que se ele e Rabi Chaim ibn Attar,1 que morava em Jerusalém, juntassem forças, eles trariam o Mashiach, Porém isso não aconteceria. Diversas vezes, Israel Báal Shem Tov saiu em busca do seu destino, mas durante o percurso todo tipo de infortúnios e catástrofes o forçaram a voltar para casa de mãos vazias.

Uma dessas jornadas que falharam deixou Rabi Israel e sua filha, Adel, perdidos e sem dinheiro em Istambul na véspera de Pêssach, sem matsá, vinho ou qualquer provisão para a Festa. Misteriosamente, os poderes espirituais do Báal Shem Tov também tinham se afastado dele, e sua mente brilhante estava em branco – ele mal conseguia se lembrar das formas do alef-bet.

Rabi Israel já tinha ido à sinagoga e sua filha estava contemplando a mesa vazia do sêder quando um homem bateu à porta. “Sou da Polônia,” disse ele, “e estou viajando pela cidade a negócios. Fui informado de que dois judeus do meu país estão hospedados aqui. Eu gostaria muito de passar a Festa com vocês.”
“É bem-vindo para compartilhar nossos alojamentos,” disse Adel, “mas infelizmente, não podemos oferecer-lhe muito para um sêder. Nada temos – nem matsot, nenhum vinho, ervas amargas, nem sequer uma vela para honrar a Festa…”

“Não importa,” disse o hóspede, “tenho tudo comigo. Eu sabia que teria de passar Pêssach na estrada, portanto trouxe todas as provisões necessárias para a Festa. Há o bastante para todos nós.”

Quando Rabi Israel voltou da sinagoga, encontrou um sêder totalmente completo à sua frente: velas acesas, matsá, vinho e todo o necessário para cumprir as mitsvot do dia. Sua alegria não teve limites, pois naquele momento o espírito Divino também tinha voltado a habitar sua alma.

Depos que tinham recitado a Hagadá, comido a matsá e o maror, e estavam desfrutando a refeição festiva, Israel Báal Shem Tov voltou-se para o convidado e disse: “Você me devolveu a vida. Como posso retribuir? Peça qualquer coisa que quiser, e prometo que seu pedido será atendido.”

“D’us me abençoou com riquezas,” disse o homem, “e não desejo nada material. Porém minha mulher e eu estamos casados há muitos anos, e não conseguimos ter um filho. Rabi, vejo que o senhor é um homem justo e sagrado. Certamente suas preces podem abrir os portões do Céu. Por favor, abençoe-nos com um filho.”

“Eu prometo,” disse Rabi Israel, “que antes de um ano você estará segurando seu filho nos braços.”

Assm que estas palavras saíram de sua boca houve uma grande comoção nos Céus, pois este homem e sua mulher tinham nascido sem a capacidade de gerar filhos. Porém até os Céus devem submeter-se à lei de que “[D’us] faz a vontade daqueles que O temem” (Tehilim 145:19). A promessa do Báal Shem Tov teria de ser cumprida.

Uma proclamação foi emitida e ressoou nos mundos sobrenaturais. 

“Este homem e sua esposa de fato terão um filho. Porém como o Báal Shem Tov forçou a mão do Céu a mudar as leis da natureza, ele perdeu sua porção no Mundo Vindouro.”

Ao ouvir esta proclamação, a face do Báal Shem Tov reluziu de alegria. “Como sou afortunado!” gritou ele. “Acabo de aprender que perdi o direito à toda recompensa celestial pelas minhas boas ações. Toda a minha vida eu me preocupei com a idéia de que talvez meu serviço ao Todo Poderoso fosse manchado pela expectativa da recompensa. Agora, no entanto, meu serviço a D’us será puro, livre da possibilidade de qualquer motivo escuso!”

Reações: