quinta-feira, 29 de março de 2012

COMENTÁRIO BRESLEV DA PARASHÁ - Tzav (Levítico - 6:01; 08:36)

                                

Pesquisa, tradução e adaptação: Moré Yashar David e Pedro Ribas

"E esta é a lei da oferta de manjares" (Vayicrá 06:07)


A natureza de todas as outras ofertas que eram trazidas sobre o Altar nos mostra que eles foram levados de uma só vez. No entanto, a oferta de cereais era ofertada no meio da manhã, e a outra metade era ofertada à tarde. O Midrash diz que quem oferece uma oblação, é como se ele oferecesse todo o mundo, de um lado ao outro. Por que a oferta de cereais é oferecida em duas metades, e por que é um sinônimo de oferecer o mundo inteiro?

A oferta de cereais era oferecida principalmente pelos pobres. O estado de pobreza era essencial, e o ingrediente principal para gerar o arrependimento. Não importa quão longe uma pessoa possa estar de D-us, o efeito curativo da oferta de cereais pode chegar a essa pessoa onde quer que ela possa estar, fazendo-a então merecedora de ser levada para perto de D'us. 

De que modo poderia a oferta de cereais curar? Uma pessoa teve que ser capaz de sentir a sua pobreza espiritual, e superar o seu orgulho, em ser capaz de pedir a D'us para ajudá-la a voltar a Ele, justamente como uma pessoa pobre que está motivada a pedir assistência financeira, porque ela tem plena consciência de suas dificuldades econômicas. O versículo seguinte nos diz que é apenas quando uma pessoa se considera em estado de pobreza espiritual, que se pode  sinceramente pedir a D'us: "A oração dos pobres [aquele que vê a sua pobreza espiritual] quando ele é envolto (em seus problemas], e [somente então] derrama perante D'us sua angústia pedindo-Lhe Sua ajuda]" (Salmos 102:1). Este tipo de oração é muito preciosa aos olhos de D'us. Através da oração com este tipo de sinceridade, certamente torna-se possível chegar perto de D'us.

É por isso que a oferta de cereais era levada em duas metades: Para ilustrar que um coração sincero e a oração nos conectam com D'us, mesmo se tivermos qualquer defeito. A oração e o arrependimento sincero nos tornam aceitáveis a D'us, assim como uma metade da quantidade de uma oferta. Além disso, a pessoa tinha que sentir que ela estava incompleta e sozinha, e que ela precisava da ajuda de D'us. É muito difícil para uma pessoa se aproximar de D'us se ela se considera que é rica em realizações, tais como autossuficiente no aprendizado de Torá, na realização de coisas boas e etc. Mesmo se alguém conhecer toda a Torá escrita e oral, fizer muitas boas ações e adquirir um ego inflado em seu coração através dessas conquistas, essa pessoa impede de chegar-se perto de D'us. Portanto, se alguém realmente procura a D-us, deve-se sintonizar e sincronizar sua atitude para com a oferta dos pobres (ofertas de cereais), que só era oferecida em duas metades. A oração é considerada como se a pessoa tivesse oferecido todo o mundo, pois uma oração pronunciada com sinceridade e humildade é muito valiosa aos olhos de D'us.

Assim pode-se começar a imaginar como é grande a misericórdia de D'us. Portanto, nunca se deve desesperar de alcançar a D-us através de nossas orações. É por isso que o santo Ari disse que se deve dizer antes da reza da manhã do Shemoneh Esrei, a frase: "Ozer da'layim" D-us ajuda ao pobre, com sentimento. Ele também disse que se deve dizer essa frase com o pensamento e consciência de que esta frase se aplica a si mesmo, pois é ele que na verdade é espiritualmente pobre e ainda tem muito a realizar espiritualmente para ser considerado próximo de D'us. Com uma atitude como esta, antes da reza principal da manhã, será mais fácil para a própria oração para ser aceita. É uma oração como esta que se estende desde uma extremidade do mundo para a outra, assim como a oferta de cereais. O Midrash ilustra essa ideia citando o versículo seguinte: "A partir do nascer do sol até ele se pôr (de um fim do mundo ao outro) o nome de D'us é exaltado (por meio da oração sincera proferida com humildade) "(Salmos 113:3) (Lekutai Halachot Orach Chayim, Hilchot Tefillas Minchá 7.: 44)

A história a seguir ilustra que uma pessoa que sinceramente se aproxima de D'us pode ser maior do que uma pessoa muito instruída. Um dos seguidores de Rav Natan, o Rebe Lazzer, tinha problemas para se expressar ao falar com D'us nas suas sessões de Hitbodedut. Rav Natan disse-lhe para repetir a frase: "Ribono Shel Olam," Senhor de todo mundo, mil vezes. Isto acabaria por ajudá-lo a se abrir com D'us. Um dia alguém disse a Rav Natan, que um homem que conhecia 1000 páginas do Talmud de cor estava visitando sua cidade. Rav Natan não ficou impressionado. Ele indicou que a façanha de Rebe Lazzer, seu seguidor, era maior do que este tal, pois ele era capaz de dizer: "Ribono Shel Olam" mil vezes. Rav Natan explicou que o acadêmico recebeu uma grande quantidade de reconhecimento por sua realização e todo mundo falava sobre o quão grande ele era. No entanto o seu seguidor falou com D'us, em privado, e ninguém sabia o que ele estava fazendo. Além disso, repetindo esta frase não poderia encher seu coração com orgulho.

"Esta é a lei do holocausto, da oferta de cereais, e a oferta pelo pecado, e a oferta pela culpa, e a oferta de consagração. e do sacrifício da oferta de paz. Que D'us ordenou a Moshe no Monte Sinai, no dia em que Ele ordenou aos filhos de Israel para trazer oferendas a D'us, no deserto do Sinai "(Vayicrá 7:37-8) 

 A maioria dos mandamentos mencionados na Torá são apenas válidos se forem realizados durante as primeiras horas do dia, como a mitsvá de Tefilin. Por que isso acontece? É para ensinar que a luz principal que guia este mundo é a Torá e seus mandamentos, assim como as luzes do sol que chegam até o mundo nos permitindo navegar através do mundo físico. É somente por meio da orientação verdadeira e confiável da Torá e seus mandamentos que somos capazes de conhecer D'us. É por isso que o Zohar chama os 613 mandamentos de as 613 peças de aconselhamentos. Para cada um dos 613 mandamentos nos é dado o melhor conselho possível sobre a forma de chegar perto de D'us neste mundo.

No entanto, o Zohar acrescenta que, devido à intensidade do exílio, as influências do ambiente em que nos encontramos faz com que o mundo e nosso entendimento de Torá se torne tão escuro como a noite. Portanto, o Zohar continua afirmando que tornou-se muito difícil tirar a luz que guia a Torá e seus mandamentos. Isto é devido à mentalidade alheia que temos encontrado no exílio, que não nos permitem compreender e tirar da orientação da Torá corretamente. Em uma situação como esta, o que podemos fazer para obter a orientação adequada? A solução para este problema é que são os sábios e os Tsadikim que têm a capacidade de revelar o significado da luz orientadora da Torá que vai nos iluminar na escuridão extrema do exílio. Esta é uma razão pela qual os sábios instituíram o mandamento Rabínico de Chanucá, que é para acender velas para iluminar a escuridão. Este mandamento, que foi promulgada pelos sábios durante o período de exílio, sugere-nos que os sábios têm o poder de proporcionar ao povo judeu a luz orientadora da Torá na escuridão do exílio. O versículo seguinte ilustra este ponto: "Nem mesmo as trevas podem Te obscurecer, D-us, mas a noite brilhará como o dia (seguindo a orientação da Torá, que é a palavra a Sua palavra); ambas, escuridão e luz serão iguais para Você" (Salmos 139:12) (Lekutai Halachot: Escolhido Mishpat: Hilchot Neziḳin 5:39)

Reações: